O Apogeu e o Declínio das Cidades


O Apogeu e o Declínio das Cidades

Em 15 de Janeiro de 2013 , por Hans-Hermann Hoppe

Aproximadamente todos os assentamentos urbanos no mundo são atormentados por conflitos entre grupos, tanto é que cientistas políticos podem falar sobre votos e candidatos em termos de composições demográficas e o impacto dos votos em diferentes regiões. Não é apenas em Bagdá que pessoas lutam em marchas pelo poder. Em algum grau, toda eleição se torna um “voto religioso”, um “voto negro”, um “voto dos negócios”, um “voto das mulheres” etc. Isso é um triste comentário sobre a cidade moderna, fundada na Idade Média como um local de paz e comércio que se tornou a própria fundação da civilização.

Por que esses conflitos existem e por que a cidade – o centro cultural da civilização comercial caracterizada pela paz e prosperidade – os atraem? Os marxistas dizem que os conflitos urbanos que as cidades possuem têm raízes na guerra entre capital e trabalho; os racialistas dizem que as raízes estão na exploração de uma raça por outra; os feministas enxergam como uma exploração sobre o gênero. A religião, evidentemente, participa também, como no caso demonstrado pelo Iraque.

E mesmo assim nenhum desses casos trata das raízes causais dos conflitos urbanos. Para essa resposta, eu ofereço essa reflexão do meu livro Democracy: The God that Failed. É o estado, e nenhuma outra instituição ou força social, que transforma uma civilização urbana pacífica em uma “zona de guerra”.
Leia mais deste post

Telhados ou Tetos? O Atual Problema da Moradia


N. T.: Este artigo foi publicado pela FEE em formato de panfleto como parte de uma série chamada “Popular Essays on Current Problems” (artigos populares sobre problemas atuais) em setembro de 1946.

Telhados ou Tetos? O Atual Problema da Moradia

Em 12 de Março de 2013, por Milton Friedman e George Stigler; prefácio de Leonard Read

Prefácio:

Se as manobras parlamentares tivessem prevenido a renovação dos poderes da OPA (Office of Price Administration – Secretaria de Administração de Preços) em Julho de 1946 [1], os controles de preços do governo teriam terminado? Ou eles seriam reavivados pelos estados, ou pelas municipalidades, ou por um novo estatuto federal?

No caso dos controles de aluguéis, pelo menos, a resposta é clara. Durante o lapso dos controles federais em julho, estado e municipalidade, um após o outro, colocaram, ou planejaram colocar em prática suas próprias agências para a manutenção dos tetos dos preços de aluguéis.

Por quê?
Leia mais deste post

Sobre o Desejo e a Realidade de uma Cidade Melhor


Sobre o Desejo e a Realidade de uma Cidade Melhor

Em 30 de Julho de 2013, por David

A busca por melhores condições urbanas e de moradia leva muitos arquitetos, urbanistas, geógrafos e engenheiros a se perguntar como é possível alcançar os objetivos desejados e quais os meios necessários para esse intento.

Muitos acreditam no poder público para o planejamento dos meios técnicos existentes para melhorar a vida das pessoas. Dizem que deveríamos instituir políticas voltadas para a moradia social; que deveríamos controlar os preços dos aluguéis para reduzir o custo de vida das famílias mais carentes; que deveríamos reduzir a segregação social e a desigualdade nas cidades com políticas públicas; que deveríamos reduzir os juros dos financiamentos e subsidiar a moradia. A lista é grande e os objetivos desejados são nobres.

O grande problema desse desejo imaginado e embutido em todas as proclamações de “dever” é que ele depende de “poder” alcançar os fins desejados. A simples afirmação de que deveríamos agir conforme nossos desejos sem podermos alcançá-los é desprovida de qualquer utilidade. E ainda pior, dependendo dos meios utilizados, os resultados podem ser tão desastrosos que até mesmo o cenário original que suscitou a ação seria mais satisfatório se mantido intocado.

É justamente essa dúvida sobre os meios de ação e a observação de várias ações desastradas que deveriam nos instigar para o estudo da ciência econômica para entendermos melhor os processos complexos resultantes e necessários para a produção do espaço urbano. Muitas vezes nos deixamos influenciar por nossos desejos, nossa imaginação e nosso conhecimento técnico, julgados por nós mesmos como moralmente superiores e eficazes, e criticamos aqueles que não concordam conosco como insensíveis e defensores do status quo. Pensamos que se tivéssemos o poder político, ou se colocássemos alguém que concordasse conosco no poder, ou se reformássemos o sistema da maneira como pensamos ser o correto, a tarefa seria simplificada e restringida aos meios técnicos já conhecidos e nossa vida seria mais fácil e justa: a sociedade seria corrigida.

E a economia, desculpem-me informar, é como um balde de água fria sobre esses desejos muito férteis em nossa imaginação.

Hayek dizia que a curiosa tarefa da economia consiste em demonstrar aos homens quão pouco eles conhecem a respeito do que imaginam poder planejar [1]. Já o economista David Prychikto definia a economia como a arte de colocar parâmetros nas utopias. O que essas duas definições nos ensinam é que nossa imaginação possui limites perante a realidade. A economia trata do real, do que é possível e tangível, não de utopias criativas produzidas em nossa imaginação.

Muitos criticam a economia por não considerar questões éticas e morais. É fato, a economia não trata da ética e da moral diretamente, ela é uma ciência que não faz juízos de valor. Juízos de valor são feitos em outros campos do conhecimento, como na filosofia moral ou nos estudos religiosos, por exemplo. A economia trata de ações e suas conseqüências, não somente das visíveis, mas principalmente das conseqüências que não são vistas com tanta facilidade; daquilo que não se vê, para utilizar uma expressão de Bastiat.

É um objetivo nobre buscar formas de as famílias mais carentes pagarem aluguéis mais baratos, que caibam nos seus orçamentos. E muitos defendem que leis de controle de aluguéis permitam que esses custos sejam subtraídos em benefício dessas famílias. O problema é que os nobres fins não mudam a realidade demonstrada pela ciência econômica: controles de aluguéis geram escassez, precarização da habitação, despejos, insegurança, lucro de alguns às custas de outros, falta de investimento na produção de moradia já no curto prazo, além de vários outros resultados desastrosos.

Não é diferente com as propostas de imposição de perímetros urbanos e zoneamentos. Essas leis parecem ser a resposta para criar mecanismos de controle de expansão das cidades e de redução das desigualdades em cada bairro. O problema é que essas leis acabam produzindo exatamente o contrário: os perímetros são exageradamente expandidos e usados por políticos e seus grupos de apoio contra outros grupos, prejudicando a população em benefício de poucos. O zoneamento, por sua vez, ao contrário de estabelecer mecanismos de inclusão social ou de preservação ambiental, cria barreiras e dificuldades para a construção, o que gera ainda mais exclusão, encarecimento do espaço urbano, ataques contra o direito à moradia digna e a necessidade, por parte dos excluídos que não podem arcar com os custos adicionais gerados pelas políticas públicas, de ocupação daqueles espaços que sobram: fundos de vale, encostas, matas, periferias.

As políticas de construção e distribuição de moradia social nunca deram o resultado que prometeram, nem aqui e nem mesmo na Suécia, vista como exemplo por muitos e país rico cujas políticas de bem-estar social possuem maiores possibilidades de atuação  [2]. O desejo ético em ver toda a população morando dignamente deve ser premiado, mas os programas de moradia colocados em prática até o momento não lograram êxito e deveriam ser analisados em detalhes por quem propõe esses meios. Como dissemos, desejar situações impossíveis é inútil e contraproducente.

É comum observarmos a realidade e pensarmos em meios para remediá-la. Muitos fatos nos incomodam e parecem simples de serem resolvidos; basta vontade política e “sim, nós podemos!”. Realmente, é possível fazer várias coisas dentro da política como aprovar congelamentos de aluguéis, aprovar leis de zoneamento inclusivo, impor obrigações para a melhoria da qualidade das edificações, destinar recursos estatais para a construção de moradias populares, cobrar penas e multas contra proprietários que não destinam seus terrenos da forma como os ungidos, sempre preocupados com a humanidade, desejam. Eles podem continuar defendendo a aprovação de políticas públicas desse tipo, mas devem estar cientes de que o resultado de suas ações será muito diferente do desejado.

Nossa imaginação é fértil e criativa, em nossas mentes podemos moldar o mundo que gostaríamos de ver, sem perturbações e injustiças, somos os soberanos em nosso mundo fantástico. Certamente devemos agir de modo a buscar formas de corrigir as situações que nos incomodam, mas para isso devemos escolher os meios que permitam alcançar os fins desejados. No entanto, devemos nos lembrar que os fins nem sempre justificam os meios.

Diversos meios podem ser planejados para consertar os erros percebidos no mundo, mas nenhum dos aspirantes a bem-feitores pode ignorar o estudo sério da economia. A capacidade de sonhar não garante resultados, apesar de ser um ótimo ingrediente para a popularidade e a aparente superioridade moral do sonhador perante o realista. Normalmente a eloqüência contra a economia o leva a um status de onipotência, como se bastasse imaginar que logo suas vontades tornar-se-iam realidade. Por outro lado, a economia exige humildade, exige reconhecer que existem forças naturais e morais que impedem os nossos desejos.

Esses eticistas, que definem seus objetivos os mais nobres e os meios políticos para alcançá-los, antes de promulgarem em alto e bom som o que “deveríamos” fazer, talvez pudessem aceitar humildemente a tarefa de verificar se os meios que propõem são possíveis, no sentido de seus resultados serem obtidos. Se os resultados não forem possíveis com esses meios, não deveríamos utilizá-los. Leis de congelamentos geram escassez e piora das condições habitacionais e isso não muda pelo mero desejo, é um fato da natureza econômica. O mesmo ocorre com todas as demais políticas públicas de planificação da produção do espaço e de moradia. O apoio a leis como essas no sentido de  tentar alcançar um objetivo nobre deveria ser cessado e essas políticas deveriam ser rechaçadas, não pelo objetivo, mas pelos meios utilizados.

Acredito que não são os economistas que não estudam ética ou moral, mas sim que nós, arquitetos, engenheiros, geógrafos e demais profissionais preocupados com a qualidade de nossas cidades que, ao contrário de agirmos como políticos, deveríamos nos aprofundar no estudo da economia. Como dizia Rothbard, “não é nenhum crime ser ignorante em economia, a qual, afinal, é uma disciplina específica e considerada pela maioria das pessoas uma ‘ciência lúgubre’. Porém, é algo totalmente irresponsável vociferar opiniões estridentes sobre assuntos econômicos quando se está nesse estado de ignorância.”

Notas:

Obs.: Esse texto foi inspirado no artigo “Dever implica Poder” de Stewen Horwitz.

[1] Hayek, Friedrich – A Arrogância Fatal, p. 108.

[2] O problema da moradia na Suécia é antigo, já na década de 1960 existia escassez, e ela ainda perdura até os tempos atuais. O tempo de espera por um apartamento em Estocolmo passou de 7 anos em 1962 para 10 anos em 1964 e atualmente está em torno de 8 anos.

Contra o Urbanismo de Compadrio


Contra o Urbanismo de Compadrio

Em 18 de maio de 2016, por David

A maioria das críticas contra o livre mercado na produção do espaço urbano não é realmente direcionada contra o urbanismo laissez-faire, mas sim contra o urbanismo de compadrio. O urbanismo de compadrio é uma especialidade do capitalismo de compadrio. Randal Holcombe coloca nos seguintes termos:

A intervenção governamental na economia para beneficiar empresas privadas embasa os fundamentos do capitalismo de compadrio. Quando os negócios podem ser lucrativos com políticas do governo, esse potencial seduz os empresários a buscarem os benefícios por meio de favores, ao contrário da atividade produtiva. Quanto maior o envolvimento do governo, maior será a dependência da ajuda do governo para a lucratividade dos negócios, ao contrário da atividade produtiva, assim, as conexões políticas se tornam  da maior importância para o sucesso da empresa. O capitalismo de compadrio é um sistema econômico no qual a lucratividade dos negócios depende de conexões políticas. [1]  

O urbanismo de compadrio – entendido aqui como meio técnico e regulatório de produção do espaço urbano – é o sistema cujos sucesso e lucratividade nos assuntos fundiários, imobiliários e urbanísticos não dependem da atividade produtiva e competitiva, mas de conexões e conchavos políticos.

O urbanismo de compadrio é beneficiado por dois grupos distintos: por aqueles que esperam lucrar com o sistema e pelos desinformados que o criticam, mas acabam criando as condições para o seu desenvolvimento por desconhecimento do funcionamento do mercado. O mecanismo do urbanismo de compadrio é intrincado e, paradoxalmente, os problemas e vícios que surgem de sua operação se tornam as suas virtudes. É essa mecânica que passa despercebida e é responsável pelo seu crescimento.
Leia mais deste post

Jane Jacobs contra os Planejadores


Jane Jacobs contra os Planejadores

Em 20 de Novembro de 2013, por Gene Callahan e Sanford Ikeda

Jane Jacobs é uma das intelectuais que parece ter ficado na periferia do movimento libertário. Seu livro, Morte e Vida das Grandes Cidades Americanas pode ser encontrado nas estantes de muitos libertários, embora esteja fechado com muita freqüência, sem nunca ter sido lido. Talvez isso ocorra porque seu nome é associado com intelectuais de esquerda que deploram o surgimento de subúrbios e o declínio dos centros das cidades, mesmo que Jacobs tenha resistido fortemente contra qualquer discriminação ideológica: centro, esquerda, direita ou qualquer outra.

O que não é tão conhecido assim, entretanto, é que seu trabalho está repleto de argumentos e insights sobre a natureza econômica das comunidades, sobre planejamento central e sobre ética que libertários achariam originais e esclarecedores. Embora alguns lapsos de seu conhecimento sobre ciência econômica tenham prejudicado seu pensamento em alguns aspectos (por exemplo, suas críticas ingênuas contra Adam Smith no A Economia das Cidades), ele também permitiu a ela poderes consideráveis de observação, inteligência e um bom senso comum para pintar a natureza dos processos sociais de maneiras particulares e muito inspiradoras para vários economistas. (do mainstream, por exemplo, veja o caso do economista de Harvard Edward Glaeser e suas pesquisas sobre as cidades – Glaeser, et al. 1992).

Jacobs sobre Ordem Espontânea

Nos trabalhos de Jacobs, a ordem presente em uma área urbana com bom funcionamento emerge como resultado das ações humanas, mas não do design humano consciente.  Ela surge de uma miríade de indivíduos perseguindo seus próprios interesses e organizando seus próprios planos, dentro de uma rede de regras que encorajam a cooperação pacífica contra a agressão violenta.

Uma das maiores contribuições de Jacobs é o seu conceito de cidades como “problemas de organizada complexidade”, que prevê “a negociação simultânea de um número grande de fatores que estão inter-relacionados em um todo orgânico” (Morte e Vida, p. 432). Sua teoria da evolução das cidades, bem como sua explicação sobre a dinâmica da expansão urbana ou de sua contração, traçam a emergência e a mudança ao longo do tempo nas instituições urbanas e na rede de confiança mútua da comunidade para as decisões dos agentes individuais, com os “olhos da rua”, sempre que interagem uns com os outros em áreas públicas.

As descrições detalhadas de Jacobs sobre o funcionamento saudável de vizinhanças urbanas estão baseadas em sua observação. Nestes lugares, há pessoas interessadas na vizinhança ou nas calçadas por quase todo o dia. Cedo pela manhã, os trabalhadores partem para o trabalho em outras regiões da cidade, bem como aqueles que entram em sua vizinhança para trabalhar. Logo então, os pais que levam seus filhos para a escola aparecem nas ruas. As lojas abrem e os comerciantes, preocupados em não afugentar clientes da região de seus negócios devido a perigos na área, mantêm um dos olhos fixo nas calçadas. Mães com crianças pequenas passam e seguem para os parques, os trabalhadores vão almoçar e os comerciantes vêm e vão das lojas. No fim de tarde, novamente os trabalhadores atravessam as ruas da região. Assim que cai a noite, bares, restaurantes e clubes noturnos mantêm as calçadas vivas – e geralmente em segurança. O papel do reconhecimento da lei vigente como segurança nas cidades é secundário para Jacobs.

Tudo isso está em grande contraste com a vida da vizinhança amada pelos planejadores da metade do século. Lá, o planejamento “racional” mantém os usos estritamente separados, com escritórios, fábricas, lojas e residências segregados em suas próprias áreas por rígidas leis de zoneamento. Como resultado, as ruas da vizinhança ficam desertas por longos períodos de tempo – e, portanto, perigosas. O perigo crescente serviria para desencorajar futuramente os pedestres do uso das ruas.

Jacobs sobre a Natureza do Planejamento

Jacobs também apresenta um individualismo metodológico e uma critica subjetivista contra o planejamento local de mão pesada. Ela argumenta que esse planejamento falha em não levar em consideração os subconjuntos de conhecimento possuídos apenas pelos indivíduos em ação (para quem ela cunhou  o termo “conhecimento de localidade”) e que ele inapropriadamente imita as ciências físicas do século XIX (Morte e Vida, p.436). Os paralelos com Hayek e seu conceito de ordem espontânea, conhecimento local e cientificismo são impressionantes, especialmente pelo fato de ela não ter tido familiaridade com seu trabalho à época.

Não é prejudicial haver pessoas pensando em regiões como um todo, mas essas pessoas não precisam de planejadores urbanos – poderiam ser grandes proprietários, presidentes de associação de bairros ou outros tipos de organizações voluntárias. (por exemplo, veja o trabalho de Spencer H. MacCallum).

Alguns libertários podem se incomodar quando percebem que a crítica de Jacobs não é direcionada apenas ao planejamento governamental, mas também contra o planejamento privado, argumentando que ele também pode ser de mão pesada. Embora o domínio inato de Jacobs sobre os poderes das trocas voluntárias e da ordem espontânea falhe em cobrir sua falta de treinamento de economia básica (não há quase nenhuma menção em seus trabalhos anteriores, por exemplo, sobre os efeitos deletérios do controle de aluguéis no estoque de moradia das cidades), esse não é o caso aqui. É verdade que talvez as lições mais importantes que a economia nos ensina é a preocupação sobre os limites e as falhas de governo, ainda assim pessoas normais podem lucrar com a aplicação em suas decisões com conceitos econômicos sobre custos de oportunidade, lei de demanda e utilidade marginal. Em outras palavras, apreciando a dependência do conhecimento da localidade e das redes de confiança, que suportam o desenvolvimento econômico, sobre o desenho dos espaços públicos podem ser tão importantes para empreendedores privados essas duas características como deveria ser para aqueles preocupados com o planejamento publico.

Há, é claro, uma tendência para motivações de lucro no direcionamento do desenvolvimento privado nas direções que Jacobs acharia simpático e parece que ela veio a apreciar isso em seus escritos posteriores (e. g. A Natureza das Economias).

Jacobs com freqüência olha para as questões do planejamento urbano exibindo grandiosos insights sobre a sua natureza. Por exemplo, comentando sobre os esquemas do famoso planejador, Ebenezer Howard, ela diz:

“o objetivo de Howard era a criação de pequenas cidades auto-suficientes, realmente ótimas cidades se você fosse um animal dócil, não tivesse nenhum plano para si próprio e não se importasse em gastar a vida toda entre outros que também não tivessem nenhum plano. Como em toda utopia, o direito de ter planos de qualquer significância pertencia apenas para os planejadores no cargo” (Morte e Vida, p.17)

Em formato semelhante, ela disseca o trabalho de um dos planejadores mais festejados do século XX:

“a utopia de Le Corbusier era uma condição do que ele chamou de liberdade máxima, pela qual ele parece ter querido dizer nenhuma liberdade para fazer nada de mais, mas liberdade de uma responsabilidade normal … ninguém teria que se bater com os próprios planos” (Morte e Vida, p. 22)

É interessante comparar Jacobs com Mises sobre os planejadores:

“[Os planejadores] são dirigidos pelo complexo de ditador. Eles querem trabalhar com seus concidadãos assim como um engenheiro trabalha com os materiais que utiliza para construir casas, pontes e máquinas. Eles querem substituir a ‘engenharia social’ para as ações de seus concidadãos e seu planejamento estratégico único dos planos de todas as outras pessoas. Eles se vêem no papel do ditador – o duce, o Führer, o tsar da produção – em cujas mãos todas as outros espécimes da humanidade são meramente peões de xadrez. Se eles se referem à sociedade como um agente ativo, eles querem dizer de si mesmos. Se eles dizem que a ação consciente da sociedade está para ser substituída pela anarquia prevalecente do individualismo, eles querem dizer de sua própria consciência sozinha e não a de qualquer outra pessoa”. (The Ultimate Foundations of Economic Science).

É, talvez, a dissecação de Jacobs de esquemas particulares de planejamento que fez o máximo para o estabelecimento de sua reputação. Ela notou que os esquemas dos planejadores urbanos da metade do século não poderiam ter destruído melhor as regiões das cidades que o caso de eles terem planejado com esse objetivo.

Ela zombou de forma famosa do planejamento urbano de Le Corbusier e seus numerosos seguidores no século XX (e. g. Robert Moses) como criador de “arranha-céus em parques” (Morte e Vida, p. 21). Ela descreveu o processo pelo qual uma auto-estrada segue pelo meio do coração de uma vizinhança e que poderia destruí-la ao criar “vácuos limítrofes”, resultando em falta de vida e insegurança pela falta de pessoas transitando (Morte e Vida, pp.257-69). Similarmente, ela notou que a paixão dos planejadores pela implantação do maior número possível de parques, sem se importar por sua sustentabilidade, freqüentemente resultava em áreas desertas que serviam muito melhor para o crime e a decadência (Morte e Vida, pp89-106).

Planejadores urbanos freqüentemente são cegos para a fibra invisível que mantém comunidades sadias juntas ou o que Nathan Glazer definiu como “a tênue estrutura da sociedade”. Ela consiste na rede de confiança e de normas de reciprocidade que surgem ao longo do tempo e que promovem o processo de trocas voluntárias, que projetos de grande escala oferecem um grande risco de arruinar. Qualquer tentativa de encobrir o desenvolvimento econômico deveria levar em consideração a importância do contato informal, que Jacobs descreve como “uma pequena troca” que forma a base dessa estrutura tênue. Jacobs chamou o primeiro de capital social em 1961, tornando-a, talvez, a primeira a cunhar o termo.

O Comércio criou as Cidades e a Agricultura

Em um insight brilhante, remanescente de um insight de Carl Menger sobre a origem do dinheiro, Jacobs apresenta uma teoria em que a origem das cidades, da agricultura e da pecuária está no comércio. Sua teoria é muito embasada nos princípios da ação humana e o que podemos imaginar realmente a situação dos primeiros humanos urbanizados, assim como ela deve ter sido. Jacobs afirma que tanto a pecuária quanto a agricultura muito provavelmente se originaram nos primeiros aglomerados urbanos. Mais tarde, esses assentamentos foram o resultado do comércio paleolítico e foi a intensificação do comércio naquelas primeiras cidades que pavimentou o caminho para o desenvolvimento da agricultura e da pecuária. Para ilustrar sua teoria, Jacobs conta a história de uma cidade paleolítica fictícia que chama de “Nova Obsidiana”. Nova Obsidiana surgiu em um sítio próximo a uma tribo que vivia perto de um vulcão, onde uma grande quantidade de obsidiana poderia ser encontrada. Além de a obsidiana ser um material de valor para uma cultura da era da pedra, aquela tribo estava situada em uma fonte natural de riqueza e tinha o ímpeto para o comércio.

A suposição de Jacobs era que a área da tribo nas proximidades do vulcão que viu nascer Nova Obsidiana (a suposição não é crucial para a sua teoria). A tribo que vivia lá não tinha propensão de permitir estrangeiros em seu território valioso, então ela trazia a obsidiana para um sítio próximo de outra tribo e confiava a ela o papel de intermediária no comércio. Assim que novos comerciantes vieram de maiores distâncias para interagir no negócio naquela região central estabelecendo primeiramente moradia temporária e mais tarde moradia permanente, as pessoas, suas idéias e seus bens de culturas e gostos tão distintos se miscigenaram. Disso, não apenas a tolerância para com os outros gostos e crenças emergiu, mas também novas idéias, religiões e produtos. Tal criatividade e oportunidade atraíram cada vez mais comerciantes e imigrantes para Nova Obsidiana, continuando esse ciclo virtuoso no qual novas idéias nas artes, no comércio e na cultura foram trazidas continuamente pela criatividade ao longo do tempo.

Como descrito, o comércio de obsidiana com as tribos vizinhas levou a um aumento na variedade de bens entrando em Nova Obsidiana. A vasta maioria desses bens era relacionada à comida. Já que os comerciantes tinham que viajar alguma distância para chegar a Nova Obsidiana, eles deveriam buscar comercializar com bens que fossem valiosos. Os principais bens valiosos provavelmente eram animais vivos e sementes comestíveis.

Menger e Mises apontaram para o absurdo de supor que um dia, um rei pensasse consigo próprio, “vamos ter um meio de troca padrão” anteriormente a qualquer outra pessoa ter experimentado algum meio de troca antes. Empregando um raciocínio similar, Jacobs nota que não faz nenhum sentido supor que uma pessoa ou um grupo de pessoas um dia simplesmente decidiu domesticar animais: “os administradores (dos animais usados no comércio de Nova Obsidiana) são inteligentes e altamente capacitados para resolver problemas ao induzir pela experiência. Porém, a experiência não ofereceu a eles nenhuma idéia ainda que possa ser chamada de ‘tentativa de domesticação de animais’” (A Economia das Cidades, p.26). Ao contrário, o desejo racional em matar aqueles animais criados que eram mais difíceis de serem mantidos (os machos e os mais ariscos) e manterem aqueles mais fáceis de manter (como fêmeas e os mais dóceis) por períodos maiores, tiveram a conseqüência não intencional de começarem a arte da pecuária.

De modo semelhante, o desperdício acidental de sementes e grãos de diversas regiões armazenados em recipientes comuns resultou na hibridação não intencional de novas formas de plantio, alguns dos quais eram mais saborosos e mais produtivos. Esses poderiam ter maiores preços de modo que administradores dos armazéns ficassem de olho para armazenar algumas sementes para futuros plantios. Assim foi o inicio da agricultura.

É uma combinação de interesse próprio, senso de alerta e no comércio que constitui a gênese e a emergência das cidades e é uma combinação similar de fatores que deu vida à pecuária e à agricultura. De fato, Jacobs argumenta que apenas em grandes assentamentos é possível, como em sua imaginária Nova Obsidiana, que a boa sorte tenha sido a gênese de tais práticas (e provavelmente dos trabalhos mais laboriosos, a escrita e as ciências) poderiam ter a esperança de florescer. Assim, ela conclui, de alguma forma contra-intuitivamente, que as cidades tinham de preceder, e não seguir, do desenvolvimento rural (A Economia das Cidades, p. 3-48).

Jacobs e o Libertarianismo

Jacobs confirma seu afiado entendimento sobre a origem dos processos urbanos pensando indutivamente, ao contrário do procedimento explícito em princípios filosóficos e ideológicos. Ela tem sido a favor e contra muitas iniciativas governamentais. E a verdade é que os intelectuais esquerdistas de fato adotaram muitas de suas idéias. Embora Jacobs não seja totalmente contra a utilização de procedimentos coercitivos como regulamentações (e. g. substituição de zoneamento de limites construtivos de edifícios por zoneamentos de uso), em nossa opinião, entretanto, aqueles intelectuais adotaram suas idéias fora de contexto. Isto é, as descrições de Jacobs  para as cidades de sucesso que se formaram espontaneamente formaram centros voltados para pedestres, usos primariamente mistos, pequenas quadras e edificações de variados estilos e os vintages foram interpretados por alguns como prescrições para as novas edificações e cidades em novas formas mais esclarecidas de planejamento urbano. Aqueles movimentos hoje conhecidos como o New Urbanism e o Smart Growth são especialmente culpados disso.

A própria Jacobs criticou os New Urbanists:

“O New Urbanism quer ter centros vívidos em lugares que eles estão se desenvolvendo, onde as pessoas correm umas pelas outras fazendo o serviço e aquele tipo de coisa. E mesmo assim, pelo que tenho visto de seus planos e dos lugares que eles desenvolvem, eles não parecem ter a menor noção sobre a anatomia desses corações, desses centros. Eles os zoneiam como se fossem shopping centers. Eles não se ligam.”

Apesar de sua normal defesa da intervenção governamental, há uma tendência libertária bastante forte nos seus escritos, mesmo que ela se esmere em recusar ser classificada como tal. O seu Sistemas de Sobrevivência (1994), por exemplo, poderia ser lido como uma análise do por quê uma economia mista produzir um tipo de desequilíbrio moral no qual a luta entre éticas do estado contra a ética do comércio gera uma espiral negativa de conseqüências não intencionais.

Jacobs talvez seja muito indutivista para alguns austríacos e muito propensa a aceitar o uso de regulamentações governamentais para outros. No entanto, ela é uma grande fonte de idéias e insights para os dois grupos e uma amiga na luta contra a tirania, tanto global quanto local.

Referência:

Jacobs, Jane (1961). The Death and Life of Great American Cities. New York: Vintage.

Jacobs, Jane (1969). The Economy of Cities.  New York: Vintage.

Jacobs, Jane (1992). Systems of Survival. New York: Vintage.

Jacobs, Jane (2000). The Nature of Economies. New York: Modern Library.

Glaeser, Edward L., H. Kallal, J. Sheinkman, and A. Shleifer (1992). “Growth in cities,” Journal of Political Economy, 100: 1126–52.

A Terra, seu Preço e seu Mito


A Terra, seu Preço e seu Mito

Em 09 de Setembro de 2013, por Ludwig von Mises – excerto do livro Ação Humana, um tratado de economia; p. 732-36. título nosso.

A terra como local para se estar

O emprego do solo com a construção de residências, locais de trabalho e vias de transporte impede que esses locais tenham outras utilizações.

Não nos ocuparemos por ora da condição peculiar que teorias mais antigas atribuíam à renda de terrenos urbanos. Não há nada de especialmente notável no fato de as pessoas pagarem preços maiores por locais onde querem morar do que por outros locais que lhes agradam menos. É uma questão de fato a de que, para instalar uma indústria, um armazém ou um pátio ferroviário, as pessoas preferem locais que reduzam os custos de transporte, e estão dispostas a pagar preços maiores por esses locais, em função das economias que esperam obter.

O solo também é usado como local de recreação, para jardins e parques, e para o prazer de desfrutar a majestade e o esplendor da natureza. Com a difusão desse amor à natureza, que é um traço característico da mentalidade “burguesa”, a demanda por tais prazeres aumentou enormemente. O solo das altas cadeias de montanhas, que era considerado mera extensão árida e estéril de rochas e geleiras, passou a ser altamente apreciado como fonte dos mais sublimes prazeres.

Desde tempos imemoriais o livre acesso a esses espaços tem sido permitido; mesmo quando são propriedade privada, seus proprietários, geralmente, não têm o direito de impedir a passagem de turistas e alpinistas, ou de cobrar entrada. Todo aquele que tiver a oportunidade de visitar essas áreas tem direito a usufruir sua grandeza e considerá-la como se fosse sua. Embora o proprietário nominal não usufrua nenhuma vantagem com a satisfação que a sua propriedade proporciona aos que a visitam, o simples fato de ela servir ao bem-estar humano faz com que lhe seja atribuído um valor. Mas como existe uma servidão de passagem permitindo o livre trânsito pela área, e como não há outra utilização possível para a mesma, essa servidão de passagem exaure completamente as vantagens que o dono poderia extrair de sua propriedade. Levando-se em conta que os serviços que essas rochas e geleiras podem prestar são praticamente inesgotáveis, e que elas não sofrem desgaste nem precisam de aporte de capital e trabalho para sua conservação, essa situação não produz as mesmas conseqüências que ocorreram, em situações análogas, nos locais de exploração florestal, de caça e de pesca.

Se na vizinhança dessas montanhas o espaço disponível para construção de abrigos, hotéis e meios de transporte (estradas de ferro de cremalheira) é limitado, os proprietários desses locais podem vende-los ou alugá-los em condições mais propícias e, assim, obter para si uma parte das vantagens que os turistas têm pelo livre acesso a esses pontos culminantes da natureza. Quando não é esse o caso, os turistas usufruem todas essas vantagens gratuitamente. Leia mais deste post

Uma Teoria Austríaca de Economia Ambiental


Uma Teoria Austríaca de Economia Ambiental

Em 02 de Setembro de 2013, por Roy Cordato

A Escola Austríaca de Economia não possui uma teoria concisa e formalizada sobre economia ambiental. Porém, na verdade, a maioria dos elementos de tal teoria já existe e, neste sentido, o que é necessário é agrupar os aspectos relevantes da Economia Austríaca de forma a desenhar e focar uma teoria que já está ali presente.

O propósito deste artigo é fazer exatamente isso. No desenvolvimento de uma Teoria Austríaca de Economia Ambiental, muito pouca nova base teórica deverá ser levantada. Contudo, ao trazer todos os conceitos austríacos de custos e das fundamentações praxeológicas da economia, podemos descobrir uma perspectiva única sobre a poluição e o papel dos direitos de propriedade para a solução dos problemas ambientais. Além do mais, ao colocar os problemas ambientais no contexto de uma formulação de planos pessoais e interpessoais, descobrimos que eles não são problemas ambientais per se, mas de simples resolução de conflitos humanos.

Por que uma Teoria Austríaca? Leia mais deste post

Observações Gerais Relativas à Teoria da Renda


Observações Gerais Relativas à Teoria da Renda

Em 20 de Agosto de 2013, por Ludwig von Mises – Excerto do livro Ação Humana, um tratado de economia, p. 725-28.

O conceito de renda formulado por Ricardo em sua teoria econômica já procurava resolver os problemas que a economia moderna aborda por meio da teoria da utilidade marginal. [1] A teoria de Ricardo, à luz de nossos conhecimentos atuais, resulta bastante insatisfatória; não há a menor dúvida de que a teoria do valor subjetivo é muito superior. Não obstante, o renome da teoria da renda é bem merecido; o cuidado com que foi formulada e aperfeiçoada produziu resultados notáveis. Não há razão para que a história do pensamento econômico sinta vergonha da teoria da renda. [2]

O fato de que terras de diferentes qualidade e fertilidade, isto é, terras que produzem rendas diferentes por unidade de aporte, tenham valores diferentes, não representa, para a teoria econômica moderna, um caso especial. A teoria de Ricardo, no que se refere à gradação da valoração e avaliação de terras, está integralmente compreendida na teoria moderna dos preços dos fatores de produção. Não é o conteúdo da teoria da renda que é objetável, e sim o fato de ela ter sido considerada como uma exceção no sistema econômico. Rendas diferenciais são um fenômeno geral e não se limitam apenas à formação do preço da terra. A falsa distinção entre “renda” e “quase renda” é insustentável. A terra e os serviços por ela prestados devem ser tratados da mesma maneira que qualquer outro fator de produção e seus respectivos serviços. O aumento de rendimento obtido com o uso de uma ferramenta melhor pode ser considerado como uma “renda” adicional em relação ao rendimento obtido com ferramentas menos adequadas que são usadas justamente por não se dispor de outras mais adequadas. Da mesma forma, o aumento de salário obtido por um trabalhador mais hábil e mais zeloso pode ser considerado como uma “renda” adicional em relação aos salários obtidos por outros trabalhadores menos talentosos e menos esforçados. Leia mais deste post

O Senhorio


O Senhorio

Em 06 de Agosto de 2013, por Walter Block; excerto do livro Defendendo o Indefensável

Para muitos, o senhorio—também chamado de senhorio do gueto e de carrasco do aluguel—é a prova de que alguém pode, ainda estando vivo, tomar-se a imagem do diabo. Destinatário de pragas perversas, boneco de inquilinos portadores de agulhas e com uma inclinação ao vodu, explorador dos decaídos, o senhorio certamente é uma das figuras mais odiadas. A acusação é múltipla: ele cobra aluguéis inescrupulosamente altos; não faz reparos em seus prédios; seus apartamentos são pintados com tintas das mais baratas, que intoxicam os bebês; e permite que drogados, estupradores e bêbados molestem os inquilinos. O reboco caindo, o lixo esparramado, as baratas onipresentes, o encanamento que alaga, o telhado caindo aos pedaços e os incêndios, são, todos, partes integrantes dos domínios do senhorio. E as únicas criaturas que prosperam nesses locais, são os ratos. A acusação, por mais severa que seja, é ilegítima. O proprietário de habitações do gueto difere muito pouco de qualquer fornecedor de mercadoria de baixo custo. Na verdade, não é diferente de qualquer outro fornecedor de qualquer tipo de mercadoria. Todos eles cobram o quanto podem.

Primeiro, consideremos os que fornecem mercadoria barata, inferior e de segunda mão, como uma classe. Uma coisa se sobressai de tudo o mais, quanto às mercadorias que compram e vendem: são produzidas a baixo custo, sendo de qualidade inferior ou de segunda mão. Uma pessoa racional não esperaria alta qualidade, excelente acabamento ou mercadoria nova e de primeira por uma pechincha; não se sentiria ultrajada e enganada, se a mercadoria ao preço de bagatela demonstrasse ter apenas uma bagatela de qualidade. Nossas expectativas em relação à margarina não são as mesmas tidas em relação à manteiga. Ficamos satisfeitos com a menor qualidade de um carro usado do que com a de um novo. No entanto, quando se trata de moradia, especialmente no ambiente urbano, as pessoas esperam moradias de qualidade a preços de pechincha e até insistem nisso.

Mas e quanto à queixa de que o senhorio cobra demais por sua habitação decrépita? Ela é errônea. Qualquer um tenta obter o preço mais alto possível por aquilo que produz e pagar o preço mais baixo possível pelo que compra. Os senhorios operam desta forma, como o fazem os operários, os membros de grupos minoritários, os socialistas, as baby-sitters e os produtores rurais comunitários. Até mesmo viúvas e pensionistas que economizam seu dinheiro para uma emergência, tentam conseguir as maiores taxas de juro possíveis para suas economias. Seguindo-se o raciocínio que acha os senhorios desprezíveis, todas essas pessoas também têm de ser condenadas.

Pois elas, da mesma forma, “exploram” o público a quem vendem ou alugam seus serviços e capital, quando tentam obter o maior retorno possível. Mas, é claro, elas não são desprezíveis—pelo menos não por causa de seu desejo de obterem o maior retorno possível sobre seus produtos e serviços. E nenhum deles é senhorio. Os senhorios de casas dilapidadas são os escolhidos, por alguma coisa que é quase uma parte básica da natureza humana—o desejo de permutar e comerciar, e de conseguir a melhor pechincha possível.

Os que criticam o senhorio, falham em distinguir entre o desejo de cobrar altos preços, que todo mundo tem, e a habilidade de fazê-lo, que nem todos possuem. Os senhorios distinguem-se, não porque querem cobrar altos preços, mas porque podem fazê-lo. O cerne da questão, portanto—e que os críticos desconsideram por completo —, é por que isso é assim.

O que geralmente impede as pessoas de cobrarem preços extraordinariamente altos é a concorrência que surge, assim que o preço e a margem de lucro de um dado produto ou serviço começam a subir. Se o preço dos discos de arremesso, por exemplo, começa a subir, os fabricantes estabelecidos ampliam a produção, novos empresários entram no ramo, os discos de arremesso usados são, talvez, vendidos em mercados de usados etc. Todas essas atividades tendem a conter o aumento inicial do preço. Se o preço do aluguel dos apartamentos de repente começa a subir, devido a uma súbita carência de moradias, forças similares entram em ação. Novas habitações são construídas pelos atuais proprietários de imóveis e por novos, atraídos para o ramo pelo aumento dos preços. Moradias velhas tendem a ser reformadas; porões e sótãos, forçosamente, entram em uso. Todas essas atividades tendem a reduzir o preço e sanar a falta de moradias.

Se os senhorios tentassem aumentar os aluguéis na ausência de falta de moradias, achariam difícil manter seus apartamentos alugados. Pois tanto antigos quanto novos inquilinos ficariam tentados a procurar os aluguéis relativamente mais baixos cobrados em outros lugares. Mesmo que os proprietários se aliassem a fim de aumentar os aluguéis, não seriam capazes de manter a alta, na ausência de um déficit habitacional.

A tentativa desses seria contraposta a ação de novos empresários, não participantes do acordo de cartel, que se apressariam em atender a demanda por habitações a preços mais baixos. Eles comprariam os prédios existentes e construiriam novos. Os inquilinos, é claro, afluiriam às habitações fora do cartel. Aqueles que permanecessem nos prédios de aluguel alto, tenderiam a utilizar menos espaço, quer dividindo a moradia com outro inquilino, quer buscando um local menor. Isso ocorrendo, ficaria mais difícil para os senhorios do cartel manterem seus prédios totalmente alugados. Inevitavelmente, o cartel se desfaria,

à medida em que os senhorios tentassem encontrar e manter inquilinos da única forma possível: baixando os aluguéis. Portanto, é ilusório alegar que os senhorios cobram o que bem entendem. Eles cobram o que o mercado suporta, como qualquer outro negociante.

Uma razão adicional para chamar de injustificada a queixa é que, no fundo, não existe qualquer sentido realmente legítimo no conceito de cobrar demais. “Cobrar demais” pode significar apenas “cobrar mais do que o consumidor gostaria de pagar”. Mas como todos nós, na verdade, gostaríamos de não pagar nada por nosso espaço para morar (ou talvez infinitamente menos do que isso, o que equivaleria ao senhorio pagar ao inquilino uma quantia de dinheiro infinita para que morasse em seu imóvel), dos senhorios que cobrarem o que quer que seja, pode-se dizer que estão cobrando demais. De qualquer um que vende a um preço acima de zero, pode-se dizer que está cobrando demais, pois todos nós gostaríamos de não pagar nada (ou infinitamente menos) por aquilo que compramos.

Desconsiderada, por ilegítima, a queixa de que os senhorios cobram demais, como fica a questão dos ratos, lixo, reboco caindo etc.? O senhorio é responsável por essas condições? Embora esteja muito em voga dizer que “sim”, na verdade não o é. Pois o problema da moradia de aluguel não é realmente um problema de senhorios ou de imóveis. É um problema da pobreza—um problema pelo qual o senhorio não pode ser responsabilizado. E quando não é o resultado da pobreza, não é um problema social.

A moradia de aluguel, com todos seus horrores, não é um problema, quando os moradores são pessoas que podem pagar por habitação de melhor qualidade, mas preferem viver num prédio de aluguel por causa do dinheiro que podem economizar com isso. Uma opção dessas pode não ser muito comum, mas as opções de outras pessoas, feitas voluntariamente e que afetam somente a elas, não podem ser classificadas como um problema social. (Se assim fosse, todos nós correríamos o risco de termos nossas opções mais deliberadas, nossos gostos e desejos mais caros caracterizados como “problemas sociais”, por pessoas de gostos diversos dos nossos.)

A moradia de aluguel é um problema quando os habitantes vivem nela por pura necessidade—não querendo ficar, mas sem condições de pagar por qualquer coisa melhor. Certamente sua situação é aflitiva, mas a falha não está no senhorio. Ao contrário, ele está fornecendo um serviço necessário, dada a pobreza dos inquilinos. Em prova disso, consideremos uma lei proibindo a existência de cortiços e, portanto, dos senhorios dos cortiços, sem estabelecer quaisquer outros meios de moradia para os inquilinos dos cortiços, como fornecer habitações decentes aos pobres ou uma renda adequada para que comprassem ou alugassem boas habitações. O argumento é que, se o senhorio realmente prejudica o inquilino, então sua eliminação, com tudo o mais permanecendo inalterado, tem de aumentar o bemestar dos inquilinos dos cortiços. Mas a lei não conseguiria isso.

Ela seria muito prejudicial, não só aos senhorios, como também aos inquilinos. Se é que não prejudicaria até mais os inquilinos, pois os senhorios perderiam apenas uma ou, talvez, muitas fontes de renda; já os inquilinos perderiam as próprias moradias. Seriam obrigados a alugar outras mais caras, com a consequente redução da quantia de dinheiro disponível para alimentação, remédios e outras necessidades.

Não. O problema não é o senhorio, é a pobreza. Somente se o senhorio fosse a causa da pobreza, ele poderia ser legitimamente culpado pelos males da moradia de aluguel.

Como é então que, se não é mais culpado de astúcia do que outros negociantes, o senhorio foi escolhido para ser vilipendiado? Além do mais, os que vendem roupas usadas aos miseráveis de Bowery, não são insultados, muito embora seus artigos sejam inferiores, os preços altos, e os compradores, pobres e desamparados. Ao invés de culparmos os comerciantes, porém, parece que sabemos onde reside a culpa—na pobreza e situação de desamparo dos miseráveis de Bowery. Da mesma forma, as pessoas não culpam os donos de sucatas pela triste condição de seus artigos ou pelas terríveis dificuldades de seus clientes. As pessoas não culpam os donos de padarias que vendem pão velho pela velhice do produto.

Em vez disso, imaginam que, se não fosse por essas sucatas e padarias, os pobres estariam em situação ainda pior do que aquela na qual estão agora.

Embora a resposta possa ser especulativa, apenas, poderia parecer que existe uma relação positiva entre a intensidade da interferência governamental no cenário econômico e o abuso e invectiva acumulados sobre os empresários que atendem esse cenário. Poucas leis têm interferido com as “padarias de pão velho” ou com as sucatas, mas muitas interferem na área habitacional. O vínculo entre o envolvimento do governo no mercado habitacional e a imagem pública negativa do senhorio deveria, portanto, estar claro.

Que existe um envolvimento forte e variado do governo no mercado habitacional, isso não se pode negar. Projetos de relocalização de moradias, projetos habitacionais “populares” e de reformulação urbana, decretos de zoneamento e códigos de construção são apenasalguns exemplos. Todos mais têm criado do que resolvido problemas.

Têm sido destruídas mais moradias do que criadas, as tensões raciais têm sido exacerbadas, e a vida dos bairros e da comunidade tem sido perturbada. Em todos os casos, parece que o senhorio paga pelos efeitos excessivos das formalidades e incompetência burocráticas. Ele leva a culpa de uma grande parte da alta densidade demográfica engendrada pelo programa de reformulação urbana. E acusado de não manter seus prédios dentro de padrões estabelecidos por códigos de construção não realistas, os quais, se atendidos, iriam piorar radicalmente a situação dos inquilinos. (Querer impor um nível de habitação “Cadillac” só pode prejudicar os do “nível Volkswagen”. Isso colocaria toda a moradia fora do alcance dos pobres.)

Talvez o vínculo mais crítico entre o governo e a má reputação que goza o senhorio, seja a lei do inquilinato. Pois a legislação de controle dos aluguéis altera os incentivos normais de lucro, que colocam o empresário a serviço de seus clientes, para incentivos que fazem dele o inimigo número um de seus inquilinos.

Normalmente, o senhorio (ou qualquer outro negociante) ganha dinheiro suprindo necessidades de seu inquilinos. Se ele falha em atender a essas necessidades, os inquilinos tendem a se mudar. Apartamentos vagos significam, é claro, uma perda de renda. Anúncios, imobiliárias, reparos, pintura e outros requisitos que relocar um apartamento envolve, significam despesas extras. Além disso, o senhorio que deixa de atender a necessidades de seus inquilinos, pode ter de vir a cobrar aluguéis mais baixos do que, caso contrário, cobraria. Assim como em outros tipos de negócios, o cliente “sempre está com a razão”, e o comerciante que ignora esse ditado é o único a correr perigo.

Mas, com o controle dos aluguéis, o sistema de incentivo é invertido. Aqui o senhorio pode lucrar mais, não em bem servir a seus inquilinos, mas em maltratá-los, esquivando-se, recusando-se a fazer reparos, insultando-os. Quando os aluguéis são controlados por lei a índices abaixo de seu valor de mercado, o senhorio lucra mais, não em servir aos inquilinos, mas em livrar-se deles. Pois então pode substituílos por inquilinos sem prerrogativas legais e que pagam mais.

Se, com o controle dos aluguéis, o sistema de incentivo é transformado, vale o processo autosseletivo através do qual o ingresso no ramo de locação é determinado. Os tipos de pessoas que uma ocupação atrai, sofrem a influência do tipo de trabalho que deve ser feito no ramo. Se a atividade requer servir (financeiramente) aos consumidores, é atraído um tipo de locador. Se a atividade requer fustigar (financeiramente) os consumidores, então é atraído um tipo completamente diferente de locador. Em outras palavras, em muitos casos, a reputação de ladino, mesquinho etc., do senhorio, pode ser bem merecida, mas é o programa de controle de aluguéis, antes de tudo, o que encoraja as pessoas desse tipo a se tornarem senhorios.

Se o senhorio fosse proibido de alugar os cortiços, e se essa proibição fosse rigorosamente cumprida, o bem-estar dos pobres inquilinos de cortiços pioraria imensuravelmente, como vimos. É a proibição de aluguéis altos, por trás da lei do inquilinato e similares, que causa a deterioração das moradias. E a proibição de moradias de baixa qualidade que faz com que os locadores abandonem o ramo de habitação.

O resultado é que os inquilinos têm menos opções, e as opções que possuem são de baixa qualidade. Se os locadores não podem lucrar em prover habitação aos pobres tanto quanto podem lucrar em outras atividades, eles abandonam o setor. As tentativas de baixar os aluguéis e manter a alta qualidade através de proibições só faz reduzir os lucros e deslocar locadores para outras atividades, deixando os inquilinos pobres em situação muitíssimo pior, sem eles.

Deve-se lembrar que a causa básica dos cortiços não é o senhorio, e que os piores “excessos” do senhorio se devem aos programas governamentais, especialmente o de controle dos aluguéis. O senhorio, efetivamente, presta uma contribuição positiva à sociedade; sem ele, a economia ficaria em pior situação. O fato de continuar com sua ingrata tarefa, em meio a toda sorte de abusos e vilipêndios, só pode ser evidência de sua natureza basicamente heróica.

A Cidade Empreendedora: o mercado como processo produtor da cidade e do meio ambiente


A Cidade Empreendedora: o mercado como processo produtor da cidade e do meio ambiente

Em 23 de Julho de 2013, por Spencer Heath MacCallum

Estamos sempre ouvindo sobre a conservação do meio ambiente, mas ninguém fala nada sobre produzi-lo. Por que não produzir um meio ambiente saudável competitivamente e vendê-lo nos mercados livres como outros bens e serviços – e mesmo dentro de pacotes com outros produtos? Como questão de fato, isso já tem sido feito. Ele é relativamente um novo produto e seus produtores não são muito visíveis e dificilmente veremos mais do que isso no futuro.

Para explicar essa proposição pouco concreta, devo primeiramente analisar uma nova estrutura de incentivos que apenas agora está sendo explicitamente reconhecida no mercado imobiliário. Então deverei descrever um cenário empírico que vem se desenvolvendo há quase duzentos anos. Finalmente, devo explicar por que isso é mais do que mero interesse acadêmico.  Na luz dos incentivos presentes, a tendência histórica possui implicações inesperadas e socialmente importantes.

Não importa muito se a estrutura de incentivos que descreverei está apenas em sua infância, já que ela sempre será uma tendência, ao contrário de qualquer estágio de desenvolvimento; isso é significativo. Entretanto, antes de traçar a lógica por trás desses incentivos, um termo chave deve ser definido. Para o momento, falaremos apenas do termo abstratamente como terra. Leia mais deste post

%d blogueiros gostam disto: